Carro Online
Acesso VIP:
Email:
Senha:
Busca:

Caminhões

19/02/2014 15:59:00

O que a Rússia tem?

Kamaz é a maior fabricante russa de caminhões e ocupa o 16º lugar no ranking mundial

Para 2020 a Kamaz quer produzir 100 000 caminhões

Mais

Quando se fala na Kamaz, logo vêm à mente os caminhões do Dakar, que colecionam vitórias: 2000, 2002, 2003, 2004, 2006 e 2010. Mas Kamaz é um nome praticamente desconhecido fora do leste europeu. Contudo, quem é ela afinal?
Em 1969, o Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética decidiu construir um complexo industrial dedicado à produção de caminhões para uso militar e civil. A cidade de Naberezhnye Chelny foi eleita para a construção do parque industrial. O local ficava exatamente próximo às margens do rio Kama – está aí a origem do nome Kamaz. A pedra fundamental foi lançada em 1969, e o primeiro caminhão saiu em 1976. Dez anos mais tarde, um quarto dos caminhões que operavam na Rússia era produzido pela Kamaz e deles dependiam cerca de 60% do transporte de mercadorias. Com a queda do bloco leste, a Kamaz foi, em 1990, a primeira companhia russa cujo capital se constituiu por ações, convertendo-se a partir disso, na 16ª maior fabricante de caminhões do mundo e a primeira do mercado russo. Em 2012 a Kamaz produziu 51 355 caminhões, um aumento de 6% em relação a 2011. E desses foram vendidos 47 300 unidades, sendo 41 000 para o mercado russo e o restante exportação. Motores foram 54 000 e se juntar veículos para uso militar e agrícola foram produzidos 50 000 unidades ano passado.
É inegável importância da Kamaz para a Rússia, ela emprega 55 000 pessoas em suas cerca de 150 subsidiárias e faturou, em 2011, 2,2 milhões de euros.
Em dezembro de 2008 o Grupo Daimler comprou 11% do capital da Kamaz. Outros 4% foram adquiridos pelo Banco Europeu para o Desenvolvimento.
Para 2020, a Kamaz prevê produzir 100 000 caminhões, dos quais 30% para exportação. Mas ela, que hoje abastece mercados como Ucrânia, Geórgia e Armênia, quer entrar nos continentes africano e sul-americano, e em diferentes mercados euroasiáticos.

 

Redação / Andrea Ramos